Carrer de L’ Almudaina - a Rua ideal para conhecer um pouco mais da história de Mallorca

A Carrer (rua) de L’ Almudaina está muito próxima à Catedral e à Prefeitura de Palma. É muito fácil de encontrá-la. Começa na Carrer Palau Reial e termina na Carrer d’en Morei. É bastante estreita e curta. É uma rua típica do centro histórico de Palma de Mallorca com um fantástico acervo cultural. Aqui você conhecerá  casas senhoriais e os seus pátios. Apresentam-se em diversos estilos. Um famoso arco une-se  ao conjunto para lhe dar mais glamour ainda!

A cidade de Palma foi fundada pelos romanos no ano 123 a.C. e Mallorca esteve sob o comando dos árabes de 903 a 1.229.

Todos os nomes que começam por “al” são de origem árabe e Almudaina significa fortaleza (al-mudayna).

Vamos ao assunto e começo pelo primeiro pátio:

 

Can Oleo - Carrer de L’Almudaina nº 4.

A casa é do século XIII. Entretanto no século XV pertenceu a uma família de corsários da Coroa de Aragão chamada Thomàs. O seu nome atual procede da pessoa que foi o seu último proprietário, Francesc Oleo, que era médico. Tem uma extensão de mais de 2000 metros quadrados distribuídos em 4 andares. O que se pode ver e visitar deste edifício, que é protegido como Bien de Interés Cultural, é a entrada principal, ou seja, o seu pátio. Esteja atento aos detalhes da escada gótica do século XV que nos chama a atenção  e que está à esquerda.É única neste gênero na cidade. Está decorada com motivos circulares imitando rosas. 

À direita estão as janelas de estilos renascentista e gótico. Simplesmente fantásticas. Por certo, Can Oleo esteve sob reforma durante 5 anos e foi reinaugurada em 2011.

Atualmente é a Sede da UIB - Universidade das Ilhas Baleares.

 

Seguindo o nosso passeio, a próxima casa chama-se Can Oms - Carrer de L’Almudaina nº 7. Foi propriedade de Jerònim Doms em 1.642. Ele era de origem nobre. Durante os séculos XVII e XVIII foi habitada pela Familia Oms. O pátio é bastante amplo: à esquerda existe um portal com uma decoração gótica, proveniente de uma outra casa. À direita, depois de um bonito artesoado de madeira e os arcos rebaixados está uma cisterna com formato octogonal.

Não deixe de fotografar uma janela que compõe-se com um balcão - em espanhol “ventana balconera” - aí apreciamos o brasão da Familia Oms.

O acesso à casa era feito por umas escadarias com varanda forjada em ferro. Muito elegantes.

 

A outra casa senhorial encontra-se no número 9 - chama-se Can Bordils (também Can Villallonga-Escalada ou Can Sureda-Zanglada). De acordo com a história, este prédio tem a sua origem na época islâmica. Pertenceu à varias famílias e o seu último nome provêm dos “Bordils” que aí habitaram do século XVII ao século XIX.

 

Muito interessantes as duas janelas renascentistas na sua fachada. Em Mallorca, como em muitas cidades da Europa, era muito comum que as famílias com alto poder aquisitivo, tivessem o seu próprio escudo. Este era colocado nas portas, colunas ou janelas, como neste caso. 

Em 1.554 a Familia Sureda-Zanglada a reformou. O pátio de Can Bordils é quadrado e tem arcos nos quatro lados.

Tanto Can Oms como Can Bordils pertencem à Prefeitura de Palma e têm um horário que podem ser visitados e fotografados os seus pátios, ou seja, de segunda-feira à sexta-feira, de 09:00 às 14:00, exceto feriados. Fora destes horários, poderão ser fotografadas da rua.

 

As surpresas não terminaram…

Pegadinhos à Can Bordils, e, sempre está fechado o portão, mas pode-se fotografar perfeitamente, existem dois arcos renascentistas que são resultado de uma reforma  feita no imóvel quando este era habitado, de acordo com informações da Guia de Turismo das Ilhas Baleares, Maria Dolores Garcia Lopez, Lola.

Agora volto a falar dos romanos! Aproveite para fotografar o Arco de L’Almudaina, que com certeza, é a joia da coroa. Era a porta do recinto romano. Esta rua estava dentro da planificação urbana deste Império. Era o "Desumanos Norte". Nos tempos dos árabes foi usada como acesso ao Palácio de la Almudaina, de onde procede o seu nome.

Detrás do Arco existe uma estrutura de cimento usada desde os tempos mais antigos para evitar o golpe das rodas das carruagens. É engenhoso.       

Você verá um divertido mini crocodilo na parede de frente ao Arco. Não se assuste. Ria e muito! Este é fruto da famosa lenda palmesana “El Drac de na Còca”. Dizem que no século XVII um dragão assustava as pessoas que viviam perto da Catedral de Palma e adjacências quando saía de noite para buscar comida…

Mas as suas aventuras terminaram quando o valente Capitão Bartomeu Coc matou-o com a sua espada. Será que era um dragão ou uma pequena lagartixa? Mistérios e dúvidas da natureza!

 

O seu tour chegou ao final. E esta é a esquina da Carrer D’en Morey, outra rua icono em Palma. 

Eu curti muito escrever este blog e dar a você todas as dicas sobre a cidade de Palma de Mallorca que é super interessante.

Quer saber mais coisas ou tem alguma dúvida, é só escrever para  info@eliana-guia.com . Terei muito prazer em esclarecê-la. Achou útil? Por favor, compartilhe com os amigos.

 

Até a próxima vez e muitos abraços de Mallorca,

Eliana Pacifico

Guia Oficial de Turismo das Ilhas Baleares.

 

Meu Facebook e meu Instagram

 

www.eliana-guia.com Blog Feed

A gastronomia maiorquina na Páscoa (dom, 21 mar 2021)
O chocolate é a estrela da semana santa em muitos países do mundo. Entretanto aqui em Mallorca a tradição vai um pouco mais além do conhecido e delicioso coelho de chocolate. Na Catalunha, Murcia, Valencia e Castilha la Mancha, por exemplo, as padarias elaboram a “Mona de Páscoa “ que é semelhante a um pão doce decorado com doces, figurinhas etc. Este pão tem uma forma de coroa. Outra coisa interessante é que na Catalunha as confeitarias trabalham bastante com chocolate elaborando fantásticas esculturas comestíveis  Vejam como são bonitas e criativas as monas de Páscoa elaboradas por Jaime, confeiteiro da Patisseria Can Massana em Solsona, Lérida, Espanha. São obras de arte que dão água na boca! Visite a sua página no Instagram.   E como é em Mallorca? Aqui as familias celebram esta data de uma maneira bastante peculiar, ou seja, reunindo-se para cozinhar empanadas, cocarrois, rubiols, crespells que depois serão degustados nos almoços ou durante um passeio ao ar livre. A segunda-feira depois do domingo de Páscoa aqui na Ilha é feriado. Assim as pessoas aproveitam para fazer piqueniques e dar a boa vinda à primavera junto com os parentes e amigos. Empanada de lagosta e cordeiro Empanada de lagosta e cordeiro Vocês poderão identificar estas iguarias através das fotos de Uli Fuchs: Empanada - tem um formato redondo e  um acabamento muito delicado. É feita com farinha de trigo, banha de porco, agua, ovo, suco de laranja e sal. O recheio pode ser de carne de cordeiro, peixe ou carne de porco acompanhado por ervilhas, cebola, alho-poró, passas, sobrasada e toucinho que são temperados com azeite de oliva, pimentão vermelho em pó e sal. Tudo isto bem picadinho é introduzido na empanada antes de ir para o forno. Cada um elege a sua receita preferida diante de tantas opções.  Já existe a versão vegana, quer dizer, a massa é elaborada com farinha de trigo integral, agua e azeite de oliva. O recheio pode ser feito com couve flor, pimentão vermelho, passas, ervilhas, alho-poró, azeite, pimentão vermelho em pó e sal. É super saborosa. cocarrois cocarrois Cocarrois - a receita da massa é idêntica à da empanada. O que muda é o formato e o recheio. Este último pode ser a mistura de espinafre, acelga, passas, salsinha e pimentão vermelho em pó. A versão vegana é muito vendida.  Empanada de lagosta e coelho Empanada de lagosta e coelho Caixa com crespells e rubiols Caixa com crespells e rubiols Crespells - são biscoitos feitos com farinha de trigo, azeite de oliva, banha de porco, gema de ovo, suco de laranja e açúcar. Não é muito doce. Depois de preparar a massa, esta é estendida com uns 4 centímetros de espessura e cortada com moldes de estrela, lua, flor ou coração. Os biscoitos depois de frios podem ser decorados com açúcar de confeiteiro.   Rubiols - a receita é a mesma dos crespells. A diferença é que esta elaboração é recheada com geleia, queijo, chocolate ou cabelo de angel (uma especie de abóbora). O mais tradicional é recheado com compota de damasco.Simplesmente delicioso. Derrete na boca!                                      À parte de todas estas delicias, o maiorquino também degusta bacalhau, salmão e tantos peixes e frutos do mar durante a semana santa.  Este ano, de novo, devido ao coronavirus, as procissões continuam canceladas.  Esperamos que vocês tenham curtido este doce Eliana’s Blog! Prometemos voltar com mais surpresas desta Ilha tão deslumbrante. Até o próximo Eliana’s Blog! Abraços de Mallorca,   Eliana Pacifico Guia Oficial de Turismo das Ilhas Baleares    Meu Facebook e meu Instagram
>> Leer más

El Fornet de la Soca (Thu, 25 Feb 2021)
Soca é uma palavra catalana que significa “a parte do tronco que fica no chão em contato com as raízes depois que a árvore foi cortada”. Com base neste conceito, Tomeu Arbona idealizou o nome do seu negócio. Para ele este termo invoca ternura, recordações e afeições que são transmitidas também através dos contos infantis.  El Fornet de La Soca é uma confeitaria e padaria muito requintada que me lembrou Paris e que está situada próxima à Las Ramblas e Plaza Mayor de Palma. A fachada, dos começos do século XX,  é modernista e apresenta-se com um dragão com asas, com muita vegetação e as curvas tradicionais deste estilo. O fascínio de Tomeu pela gastronomia começou quando ele era menino e acompanhava a sua mãe nas compras. Deste  tempo ele considera-se um afortunado porque aprendeu a comprar com critério, admirar o seu entorno familiar nesta área, e,  inclusive valorizar as ervas aromáticas e tudo que procede do campo e da terra. A sua mãe ensinou-lhe os segredos da boa cozinha através da sua maneira elegante e asseada de fazer as coisas. Ele afirma que esta é a sua grande escola! Ele estudou para ser psicólogo, profissão que exerceu durante 3 anos, mas, com a crise em 2010  decidiu mudar a sua vida e investir na gastronomia. No Fornet são usados produtos maiorquinos da temporada que são comprados diretamente do produtor, sempre que é possível.  As empanadas, uma espécie de empada, são as mais requeridas pelos clientes. Ele faz questão de seguir receitas antigas que foram escritas nos cadernos. Me citou uma que era feita pelos ermitãos de Valldemossa com peixe  ou somente com legumes porque até hoje eles não comem carne. Para a quaresma e Páscoa ele vai fazer empanadas com massa doce recheadas com cordeiro e "cabell de angel” (uma especie de abóbora doce), ervilhas (será a temporada) e outras receitas. Existe uma empanada estrela que é baseada em uma receita do Arquiduque Lluis Salvador de Austria, considerado o pai do turismo em Mallorca. Ele viveu na Ilha nos finais do século XIX. É conhecida como Empanada de Salmonete - empada de tainha.   Me dizia que sempre quis fazer um turrone que era elaborado pelas  monjas carmelitas e que tinha um formato de peixe. Era muito complicado encontrar o molde porque o que elas tinham era do século XVII e havia sido feito com um peixe de verdade que foi pressionado sobre um cimento. A sua curiosidade fez com que ele tentasse este método, mas, não foi possível. Com muitas risadas me contou que tudo foi para o lixo, inclusive o peixe…anos mais tarde encontrou, por acaso, um molde muito parecido no Porto, Portugal, em uma casa de ferragens (veja aqui Tomeu Arbona em YouTube fazendo esta receita).  -em catalão Tomeu gostaria de fazer outras receitas parecidas a estas, mas, infelizmente  não existem dados precisos sobre as mesmas.  Durante o tempo que eu estive esperando para entrevistar Tomeu muitos clientes estiveram ali comprando  doces e salgados.Ele quer que o freguês esteja a vontade na loja e  que curta a música ambiente enquanto espera para ser atendido, Ele lembrou  com muito carinho duas senhoras de 80 anos que vieram comprar na sua padaria e que ao ver um doce chamado “cojines imperiales con chocolate” (foto acima) não foram embora porque queriam recordar, através deste doce, o tempo em que fizeram a  primeira comunhão. Uma turista de Porto Rico, passeando em Mallorca, veio especialmente a Fornet para provar empanadas. A sua avó era maiorquina e emigrou a este País nos anos 20. Quando degustou o primeiro pedaço do salgado, chorou comovidamente pelas lembranças. Eu fiquei muito feliz de poder conhecer um pouco mais da tradicional e saborosa gastronomia maiorquina através de um grande profissional como Tomeu Arbona. Ele consegue, de uma maneira resiliente e humana, a cada dia, junto com a sua familia e funcionários , aliar  beleza, tradição histórica e muita ilusão  no seu bonito projeto. E por certo, Tomeu recebeu o "Premi Ciutat de Palma de gastronomia" de 2020. Parabéns! Quando você estiver em Mallorca, venha conhecer El Fornet de La Soca. Você vai amar, com certeza!   El Fornet de La Soca Plaça de Weyler, 9 Palma   Horario: de segunda-feira a sábado : 09:00 - 20:00. Domingo: fechado.   Até o próximo Eliana’s Blog! Abraços de Mallorca,   Eliana Pacifico Guia Oficial de Turismo das Ilhas Baleares     Meu Facebook e meu Instagram
>> Leer más

Escribir comentario

Comentarios: 0