O Museu Fundación Juan March

Em 1955 o banqueiro maiorquino Juan March Ordinas criou a Fundación Juan March para desenvolver atividades em diversas áreas, incluindo a cultural.

A sede do grupo está em Madri. Existe um Museu de Arte Abstrata Espanhol na cidade de Cuenca e o Museu Fundación Juan March localizado em Palma. O prédio de Palma é do século XVII e anteriormente foi uma casa senhorial maiorquina.

Recentemente foi reformada e aberta de novo ao público em abril deste ano.

Desde 1990 este espaço acolhe a uma parte da coleção de arte da Fundación. O edifício em si foi convertido em uma joia. O pátio é bastante luminoso por causa da presença de uma majestosa claraboia. Elegantes também são os mosaicos decorativos do chão do hall de entrada feitos por Lluis Bru (1868-1952), famoso ceramista valenciano que também fez parte do modernismo catalão. As escadas estão adornadas com um precioso trabalho em ferro, e as janelas têm os seus respectivos adornos.

Me chamou muito a atenção as esculturas feitas por Juan Bordes que estão na entrada do Museu justo ao final das escadas que dão acesso ao primeiro andar: “Oradores”. É uma obra de 1987-1989. Cinco cabeças feitas em bronze oxidado e com os seus respectivos pedestais. São bastante singulares. Este artista nasceu em Las Palmas de Gran Canarias em 1948. Possui trabalhos em muitas cidades espanholas.

 

Nos dois andares do Museu foram reunidas amostras da Arte Espanhola do século XX. Existem quadros e esculturas que nos mostram as diversas influências recebidas pelos artistas. 

Os principais motivos estão relacionados com a Guerra Civil Espanhola que durou de 1936 a 1939 e que provocou o isolamento do país, o contato dos artistas espanhois com outras culturas, como por exemplo a francesa, os sucessos artísticos de Picasso, Joan Miró e Salvador Dali.

A coleção abrange uns 60 artistas. Falar de todos….torna-se impossível. 

Assim que eu vou descrever as obras que mais me chamaram a atenção e cuja maioria está retratada em fotos.

Juan Bordes, Oradores [I, II, III, IV y V], 1987-1989
Juan Bordes, Oradores [I, II, III, IV y V], 1987-1989

Andreu Alfaro - escultor valenciano (1929-2012) - suas obras são abstratas e estão presentes em muitos museus ao redor do mundo bem como nas ruas de muitas cidades espanholas. Ele expressou-se através do aço inoxidável, ferro, lata, latão e arame. Ele aventurou-se pela arte barroca, por Goethe e inclusive no mundo do jazz.

Andreu Alfaro, Figura aixecant-se [Figura incorporándose (b)], 1984
Andreu Alfaro, Figura aixecant-se [Figura incorporándose (b)], 1984

Miquel Barceló e Frederic Amat - Miquel Barceló, maiorquino nascido em Felanitx em 1957 é atualmente um dos mais conhecidos pintores do momento. Você contemplará os quadros “La Flaque” (La Charca) 1989, “Constel-lació núm 4 (Forat Blanc), Constelación núm 4 (Agujero Blanco) 1989 e “Gran Fons Submarí” (Gran Fondo Submarino) 1996.

Conheça a sua faceta de ceramista através de “Grand Pot Avec Crânes Sur 1 Face” (Gran Vasija con Cráneos en 1 lado) 2000. Barceló, de acordo com fontes, se inspira na África e no Mar Mediterrâneo para criar os seus trabalhos. É o autor da Capela da Multiplicação dos Pães e dos Peixes na Catedral de Palma. Ele teve muito sucesso quando participou da Bienal de São Paulo em 1981. 

A obra de Frederic Amat chama-se “P’ Isaq” de 1978. Este artista nasceu em Barcelona em 1952. Utiliza técnicas de colagens, assemblagem ou verniz. Em “P’ Isaq” usou canas como o principal elemento.

Miquel Barceló, Gran vasija con cráneos, 2000. Frederic Amat P'isaq, 1978
Miquel Barceló, Gran vasija con cráneos, 2000. Frederic Amat P'isaq, 1978

“Le Perroquet” (El Loro) 1937, é o nome dado por Joan Miró (1893-1983) à sua obra que encontra-se neste espaço cultural. Catalão de Barcelona e que viveu muitos anos em Palma de Mallorca foi um dos máximos representantes do surrealismo. Dedicou-se também à escultura, cerâmica e à gravação.

Juan Miró, Le perroquet [El loro], 1937
Juan Miró, Le perroquet [El loro], 1937

Eduardo Chillida - artista vasco que nasceu em San Sebastian em 1924 e que até hoje é considerado um dos grandes artistas espanhois e como tal é presença obrigatória no Museu Fundación Juan March.

No hall de entrada, junto às escadarias, está “Mendi Huts II” (Montaña Vacia) 1990. Una enorme pedra de alabastro torneada, com espaços vazios no seu interior. O “Proyecto para el Arco de la Libertad II” é a sua máxima expressão no material que mais utilizou: o ferro. Os seus trabalhos estão expostos no mundo inteiro. Colecionou prêmios e muitas condecorações. Faleceu em 2002 com 78 anos de idade. 

Eduardo Chillida, Mendi Huts II [Montaña vacía II], 1990
Eduardo Chillida, Mendi Huts II [Montaña vacía II], 1990
Eduardo Chillida, Proyecto para el Arco de la Libertad II, 1980
Eduardo Chillida, Proyecto para el Arco de la Libertad II, 1980

Bastante interessante é a arte dos valencianos Rafael Solbes (1940-1981) e Manuel Valdés (1942) pertencentes ao “Equipo Crónica” fundado em 1964. Se basearam na Arte Pop, movimento originário do Reino Unido e Estados Unidos no século XX.

No famoso quadro “Las Meninas” de Velázquez recriaram-no e se expressaram de uma maneira irônica e humorada sobre o regime franquista. “La Salita” é de 1970. Como Velázquez no seu quadro original, podemos ver estes dois autores à direita do mesmo. 

Irá lhe chamar a atenção a escultura “Matisse como Pretexto”, idealizada por Manuel Valdés em 1988. A figura humana feita com pedaços de madeira apresenta-se de uma forma muito relaxada em uma cadeira.

Equipo Crónica, La salida 1970. Manuel Valdés, Matisse como pretexto, 1988
Equipo Crónica, La salida 1970. Manuel Valdés, Matisse como pretexto, 1988

Nós o conhecemos como o autor dos “Relógios Derretidos” (1931). É um dos mais importantes representantes do Surrealismo. Tinha uma personalidade bastante controvertida e sempre estava chamando a atenção através da sua indumentária, da sua mirada ou do seu bigode algo excêntrico . Assim era Salvador Dali que nasceu em 1904 em Figueras e faleceu alí em 1989. “Sin Título” (Retrato de Luli Kollsman) 1946. Este autor viveu em Paris e nos EUA, onde chegou a trabalhar para o cinegrafista Alfred Hitchcock. “Sin Título” é da etapa americana de Dali. Por certo a homenageada era atriz de cinema e cantora. Nasceu na Alemanha em 1902 e faleceu em 1951 em Nova Iorque. 

Salvador Dalí, Sin título (Retrato de Luli Kollsman), 1946
Salvador Dalí, Sin título (Retrato de Luli Kollsman), 1946

Foi muito agradável a minha manhã neste Museu. Voltarei com certeza! Quero seguir admirando e conhecendo melhor  a Gustavo Torner, Eduardo Arroyo, Antoni Clavé, Jorge Oteiza, Antoni Tàpies, José María Yturralde, Fernando Zóbel e outros importantes talentos espanhois que encontram-se neste espaço.

Gustavo Torner, La princesa y el dragón, 1989
Gustavo Torner, La princesa y el dragón, 1989

Museu Fundación Juan March

Carrer Sant Miquel, 11

Palma de Mallorca

Horarios:

Segunda-feira a sexta-feira: 10:00h às 18:30h

Sábados: 10:30h às 14:00h

Domingos e feriados: fechado.

Entrada grátis.

Muito obrigada pela leitura. Se gostou, por favor compartilhe com a família e amigos. Prometo voltar com mais novidades sobre Mallorca. Esta Ilha é apaixonante e a cada dia torna-se surprendente.

Abraços de Mallorca.

 

Eliana Pacifico

Guia Oficial de Turismo das Ilhas Baleares.

Meu Facebook e meu Instagram.

Escribir comentario

Comentarios: 0